Arquivos mensais: junho 2014

Nunca fale mal do seu cavalo

cavalo1

A primeira vez que ouvi esta fábula foi em uma palestra do professor Marins. Tive a oportunidade de ouvi-la outras vezes, sempre em contextos apropriados. Falando de copa do mundo e do momento atual da seleção Brasileira, penso que a fábula do cavalo cabe bem. Após uma atuação não muito convincente contra a seleção do México, passamos a criticar e muitas vezes a diminuir nossa seleção.

Deixando de lado o sentimento passional, analisemos os fatos. Bem, ninguém precisa saber o que se passa nos bastidores de uma organização ou de uma equipe. O que realmente interessa é o resultado alcançado. Eu mesmo já critiquei muito o técnico Luiz Felipe Scolari pela sua teimosia, mas estamos acostumados a ver inúmeros exemplos de êxitos no esporte, mesmo sem a estrutura esperada. Lembram do ginasta Arthur Zanetti, medalhista de ouro nas últimas olimpíadas? No mundo corporativo, quantas vezes ganhamos um contrato sem estarmos 100% preparados? Nesta vida globalizada não adianta ser competente: é preciso parecer ser competente. Isto não significa enganar ninguém, apenas focar no que realmente contribui para o resultado.

Afinal, o que nos diz a fábula do cavalo? Texto adaptado de Renato de Luca-Publicitário.

‘Mineirinho cansado de seu cavalo vivia reclamando pra esposa dele;

– ‘Muié’ essa praga de cavalo estragou nossa plantação de milho, pisou na nossa horta , deu um coice na nossa vaquinha leitera e , ainda ‘purcima’ cagou na porta de casa. Só dá ‘preju muié’. Esse cavalo não atende as nossas necessidades.’Quié’ que faço com ele? Paguei um dinheirão.

– Se acalma, homem, que o cumpadre tá chegando, respondeu a mulher.
Depois daquela tradicional conversa sem assunto o compadre diz:
– Bonita casa, mas o que eu mais gostei foi do seu cavalo, que belezura.
Depois de um pulo na cadeira, o mineirinho diz: “O que cumpadre? Ocê gostou do Faz Tudo? Tá pondo olho-gordo no pobrezinho? Ói que eu me ofendo, hein!!!”
– Não cumpadre. Com todo respeito, só achei o bicho aprumado.
-‘Ah bão’, disse o mineiro.Pois saiba o senhor que esse cavalo é como um filho pra mim, nunca deu trabalho, num imagina do que ele é capaz. Veja só: de manhã , antes de nos acorda, o bichinho já traz um balde d’água bem na porta de casa, eu assobio e ele já se prepara pra ”trabaia” na roça, puxa o arado que é uma beleza, ‘num precisa nem de guiá’, vai sozinho até a cachoeira e ‘vorta’ limpinho. Eh belezura de animal, cumpadre.
A visita já com os olhos arregalados pergunta:
– Quanto? Isso mesmo que o cumpadre tá pensando. Pode ”punha preço” que eu pago. 
– Nem pensar. É meu, e eu não vendo.
– O cumpadre tá fazendo pouco caso da minha pessoa. Pois dou dez mil.
– Não, nem pensar!Ta de ofensa…
-Quinze… vinte… vinte cinco e mais dois bezerrinhos e uma malhada.
– Tá bem cumpadre, mas só vou fechar o negócio em nome da nossa amizade, afinal ela tem que valer mais que um cavalo, né? Paga em dinheiro e manda entregar o resto da oferta aqui, enquanto eu mando o cavalinho lá pra tua roça, tá? Muíé traz café que o cumpadre merece.

Duas semanas depois o cumpradre do mineirinho volta pra ter uma prosa com ele, fulo da vida ele descarrega;
– Esse cavalo é uma b*****, só dá preju, já perdi minha safrinha e…
– Ô cumpadre, diz o mineiro. Se você fica falando mal do teu cavalinho, você num arruma comprador pra passar ele pra frente. 

Trazendo para o mundo corporativo, não adianta realçar as fraquezas. Na verdade devemos ter consciência delas e lutar para minimizá-las com ações consistentes. Por outro lado, devemos enfatizar nossas forças para que as oportunidades surjam. Afinal, se a propaganda é a alma do negócio, que vantagem voce teria em falar mal do seu cavalo? 
Boa leitura!

Liderança acima de tudo

A matéria desta semana trás um comentário do Carlos Pozzobon sobre um texto de autoria anônima, o qual traduz a disciplina da liderança original. Tenham uma ótima semana e não esqueçam de opinar e sugerir temas para discussão no nosso blog.

cpozzobon

O líder verdadeiro dorme tranquilo, enquanto as tempestades e os ventos da vida sopram mais forte

Há vários anos um fazendeiro que possuía terras ao longo do litoral do Atlântico constantemente anunciava estar precisando de empregados, mas recebia muitas recusas. Nesta época a maioria das pessoas estavam pouco dispostas a trabalhar em fazendas ao longo do litoral do Atlântico, pois temiam as tempestades que varriam a região, fazendo estragos nas construções e nas plantações.


Mas num certo dia, bateu na casa do fazendeiro um homem pedindo para trabalhar. O fazendeiro foi logo perguntando: Você é um bom trabalhador?

O homem respondeu: Acredito que sim. Vamos dormir enquanto os ventos sopram.

Embora confuso com a resposta, mas necessitando de um funcionário, contratou-o, e desde o primeiro dia o homem trabalhou muito, mantendo-se ocupado do amanhecer até o anoitecer, e isso deixava o fazendeiro muito satisfeito.

cpozzobon1

Então, em uma noite, o vento uivou ruidosamente. Era uma daquelas tempestades que varrem tudo que tem pela frente, causando estragos nas construções e nas plantações. O fazendeiro já conhecia o barulho do vento, sabia o que estava para acontecer. Pulou da cama, agarrou um lampião e correu até o alojamento onde dormia o seu empregado, sacudiu-o e gritou: Levante-se! É uma daquelas tempestades! Vamos amarrar todas as coisas antes que elas sejam arrastadas!

No meio da tempestade da natureza e da tempestade emocional do fazendeiro, o empregado virou-se na cama, e disse com a voz tranquila, porém com muita firmeza nas suas palavras: Quando vim lhe pedir trabalho, o senhor me perguntou se eu era um bom lavrador. Eu lhe respondi: vamos dormir enquanto os ventos sopram.”

Enfurecido pela resposta, deixou-o dormindo, mas gritou: Amanhã vou te botar no olho da rua! Agora a tempestade chegou e eu preciso tentar salvar minha fazenda.

E quando saiu correndo para tentar salvar a fazenda, a cada movimento ficava mais surpreso. Ele notava que tudo já tinha sido feito. Os montes de feno tinham sido cobertos com lonas firmemente presas ao solo. As vacas estavam bem protegidas no celeiro, os frangos nos viveiros, e todas as portas muito bem travadas. As janelas bem fechadas e seguras. Tudo foi amarrado. Nada poderia ser arrastado!

Então o fazendeiro, entendeu o que seu empregado calmamente, quis dizer com “vamos dormir enquanto os ventos sopram“, e antes de retornar para sua cama, passou no alojamento onde o seu empregado dormia tranquilamente e disse: “me desculpe pelo que lhe disse. Seu comportamento é o de um verdadeiro trabalhador. Por isso amanhã, você receberá uma gorda gratificação. Agora vou dormir, enquanto os ventos sopram.

Meus comentários:

Esta história nos mostra claramente que quando se está preparado física, emocional e espiritualmente, não há o que temer e nem é necessário correr, pois o líder verdadeiro vai poder dormir enquanto os ventos sopram, como o trabalhador da história acima. 

Liderança verdadeira é estar conectado por inteiro, é fazer tudo que precisa ser feito antes da tempestade chegar para poder dormir tranqüilo enquanto as tempestades e os ventos da vida sopram mais forte.

cpozzobon2

A fazenda em ordem, sem sinais de devastação após a tempestade, simboliza o ponto central e mais alto da compreensão do líder verdadeiro. Por isso, é importante que o líder verdadeiro, durante a sua jornada tenha comportamentos adequados, baseados em princípios e valores éticos como: honestidade, humildade, paciência, educação, comprometimento, respeito, que saiba perdoar e pedir perdão como aconteceu em vários momentos entre os dois nesta história. 

O fazendeiro enfurecido gritou: “amanhã vou te botar no olho da rua”, mas foi humilde em pedir perdão pela sua falha. O trabalhador foi humilde em aceitar. O trabalhador foi honesto quando disse: “acredito que sim. Vamos dormir enquanto os ventos sopram” e o fazendeiro foi honesto ao retribuir com uma gorda gratificação e assim por diante.

Acredito que você pode perceber que todos os comportamentos que citei, estavam presentes na história acima. Então, “para cada esforço disciplinado, sempre haverá múltiplas recompensas.”  

Ou seja, quando o líder verdadeiro entende que o seu principal papel é ter um planejamento disciplinado para exercer as suas funções, tanto na organização quanto na vida pessoal, tudo passará a ter um significado muito diferente, porque ao se esforçar para fazer dos obstáculos apenas mais um degrau para alcançar tudo o que deseja, o líder verdadeiro terá várias recompensas. 

Mas, a principal recompensa será a soma das harmonias física + emocional + espiritual = dormir tranquilo enquanto as tempestades e os ventos da vida sopram mais forte. 

Pense em tudo isso com muito carinho e atenção. Além de um fortíssimo abraço, desejo-lhe uma semana cheia de saúde, paz e amor para que você possa conquistar tudo o que desejas. 

carlos pozzobon

Carlos Pozzobon

Carlos é parceiro de conteúdo da Cognitivus desde Abr/14, com atuação direta nos programas comportamentais e liderança. Criador do PEI – Programa de Evolução Intencional, tem dedicado sua vida a desenvolver o líder verdadeiro que existe em cada um de nós, através de seu trabalho como palestrante e coach. Já trabalhou pelo desenvolvimento de centenas de pessoas em inúmeras Organizações, Universidades e Entidades de Classe, tais como: TAM, Coca-Cola, AmBev, Red Bull do Brasil, AB Brasil, Fundimisa, Redemaq revenda Massey Ferguson, Ulbra, Faculdade São Marcos entre outras. Recentemente fez uma das palestras mais desafiadoras da sua vida. Palestrou para os familiares das vitimas e sobreviventes da tragédia de Santa Maria – Incêndio na Boate KISS. As soluções e os programas oferecidos por Carlos Pozzobon inspiram as pessoas a melhorarem seus desempenhos e resultados, tornando-se ainda mais produtivas e realizadas em suas atividades profissionais e pessoais.